Todos temos nossas asas. É preciso, certas vezes, que alguém venha e nos mostre que elas estão ali, logo atrás do peito, bem perto de nossos pulmões. É preciso respirar, tomar impulso e voar.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Teatro Grego (Comédia)

Uma das formas básicas do teatro ocidental, a comédia, constitui-se como peças leves (ausência de emoções e sentimentos muito fortes) voltadas para assuntos não muito sérios. Suas personagens são deformados, exagerados o que constitui uma não identificação com a platéia. Tem sempre um final feliz e propõe-se a enfatizar a crítica e a correção através da deformação, do exagero dos defeitos humanos e do ridículo. Sua finalidade principal é a de provocar o riso e o divertimento.
A comédia aumenta o número do coro, mas diminui sua importância.
Sua estrutura é semelhante a da tragédia, com o acréscimo da Parábase (momento em que interrompida a cena, o coro sem máscara fala para a platéia algo que não tem nada a ver com a peça).

Tida como uma arte inferior, a comédia só pôde acontecer, graças a um momento de democracia no séc. V a.C., cuja liberdade de expressão para os homens livres (não se inclui mulheres, escravos e estrangeiros.), atingiu um nível nunca mais conquistado na história mundial.


A palavra comédia vem do grego komoidía. Sua origem etimológica é komos (procissão jocosa) e oidé (canto).
A palavra komos tem múltiplos sentidos no vocabulário grego. Todos no entanto remetem-se ao sentido de procissão. Havia dois tipos de procissão que tinham a designação komoi.
Um deles consistia-se numa espécie de cordão carnavalesco, na qual participavam os jovens.
Estes saíam às ruas da acrópole batendo de porta em porta, pedindo prendas e donativos.
Nestas komoi era hábito também expor à zombaria os cidadãos da polis.

Principais Características da Comédia:
•Obra teatral em versos;
•Caráter burlesco, leve e humorado;
•Envolve ações ordinárias, corrigidas por meio do ridículo;
•Possui importantes implicações filosóficas e morais;
•Personagens ilustres e gente comum das ruas (o povo em geral)
•Versa sobre instrumentos opressores da sociedade, sobre a burocracia, valorização do dinheiro...

Inspira o riso.

A Comédia Antiga:
A comédia antiga foi introduzida 50 anos após a tragédia, sua principal finalidade era a de criticar a política (tratava dos problemas da polis). Foi muito combatida pelos governantes e ocorreu em um momento onde a democracia ateniense a favorecia.
Com a queda de Atenas e de sua democracia acabou-se esse tipo de comédia.
Baseava-se em uma mistura de fantasia, crítica, obscenidade, paródia e insulto social, pessoal e principalmente político.

A Comédia Mediana ou Intermediária:
Trata-se na verdade de um enfraquecimento da sátira política pertencente a comédia antiga. Representa uma transição, podados e cansados da crítica política, os comediógrafos voltaram suas atenções às paródias míticas, sátiras e sistemas filosóficos, instabilidade de fortunas, assuntos gastronômicos, entre outros.
Desse período pouco nos chegou. Somente duas peças de Aristófanes escritas no término de sua vida. Esta fase possui curta duração. (404 a.C. a 336 a.C.)

A Comédia Nova:
Surgiu com a queda da democracia ateniense. Sua temática girava em torno de: problemas sentimentais de jovens casais, casamentos, intrigas, briga de vizinhos e de tipos e costumes que cercavam essas situações básicas.
Seus personagens oscilavam entre pessoas do povo (escravos, militares, cozinheiras,...) e nobres.
Características: vida privada, intimidade dos cidadãos, amor, prazeres da vida, intrigas sentimentais,...
Neste momento não se encontra a presença do coro. Ele foi extinto.
O maior representante deste tipo de comédia foi Menandro.

Principal representante da comédia antiga, escreveu cerca de 43 peças e somente 11 chegaram aos nossos dias.
Aristófanes possuía grande liberdade de expressão e, devido a isso, não poupou críticas a pessoas ilustres, governantes, instituições governamentais e nem mesmo aos deuses. Preocupou-se, acima de tudo em defender a paz (evitar conflitos) e advertir a população, sobretudo a rural, dos abusos urbanos. Criticou Sófocles e Eurípedes.
Suas obras: “Os Arcaneus” “Os Cavaleiros” “As Nuvens” “As Vespas” “A Paz” “Os Pássaros” “As Tesmoforias” “As Rãs” “Assembléia de Mulheres” “Pluto” “Lisístrata”

Principal autor da comédia nova grega, Menandro viveu sob condições políticas que já não permitiam sátiras a homens ou instituições.
As temáticas de Menandro estavam voltadas para viagens, heranças, nascimentos e amores clandestinos.
Seus personagens eram baseados em pessoas comuns das ruas: escravos, cozinheiros, médicos, filósofos, adivinhos, militares.
De suas 100 peças apenas 1 chegou completa aos nossos dias: “O Díscolo” ou “O Misantropo”.
Tragédia:
•Estilo nobre e elevado, que desperta, fatalidade, purgação, compaixão, piedade, terror.
•Herói: Rei, pessoas ilustres e com poder, etc.
•Fundamentava-se na temática mitológica.
•Júri composto por pessoas escolhidas pelo magistrado. Pessoas de famílias aristocráticas e que se destacavam na sociedade.
Comédia:
•Retratação de aspectos caricaturados ou fantásticos;
•Herói: Palhaço, bobo, inocente, santo, idiota, trapalhão, fingidor, etc.
•Não possuía nenhum padrão rígido de fundamentação mitológica. Elaborava críticas ao político, governantes e costumes da época.
•Júri composto por cinco pessoas da platéia escolhidas por sorteio.
Com o fortalecimento de Roma, a Grécia perde sua hegemonia, dando lugar ao maior império do Ocidente, mas sua influência, seu legado, e sua importância perduram até os nossos dias.
Agradeço o auxílio de Marcelo Carvalho e Wellington Carbogim.

4 comentários:

Moda,Beleza e Celebridades disse...

Amei esse texto irá me ajudar muito.

Anônimo disse...

nossa, perfeito!

deu uma super salvação pra minha pesquisa!

muito obrigada!

Anônimo disse...

Muito Obrigado..... Perfeito Artigo.. Me ajudou a bessa!!!!

Anônimo disse...

Esse texto me ajudará demais AMEIII!!!